Browsing Category

Saúde

Saúde

Precisamos falar sobre a Síndrome dos Ovários Policísticos

30 de July de 2018

Hoje em dia é muito comum ouvirmos falar sobre a Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP). No entanto, poucas sabemos o que isso realmente significa, não é mesmo?

A Síndrome dos Ovários Policísticos é uma doença endocrinológica que atinge 1 em cada 15 mulheres em idade reprodutiva e é caracterizada pelo aumento da produção de hormônios masculinos e a presença de micro cistos nos ovários.

Alguns dos sintomas da SOP são:
• Aumento do volume ovariano;
• Ausência ou irregularidade da menstruação;
• Ausência de ovulação;
• Aumento de peso;
• Aparecimento de acne;
• Hirsutismo (crescimento de pelos no rosto e outros locais em que a mulher normalmente não tem pelos);
• Queda de cabelo;
• Problemas com a fertilidade, entre outros.
A maneira mais simples de diagnosticar a SOP é por meio do ultrassom transvaginal. Outras formas que também podem ajudar a detectar a SOP são exames de sangue e de tireoide.

Ainda que a Síndrome dos Ovários Policísticos, infelizmente, não tenha cura, há maneiras de controlá-la. Um dos métodos mais usados e indicados é o tratamento com anticoncepcionais, que são pílulas com andrógeno, ou seja, agem combatendo os hormônios masculinos.

Existem também, terapias alternativas que podem diminuir os sintomas da Síndrome dos Ovários Policísticos, como por exemplo: Acupuntura e Aromaterapia. Além disso, há também a possibilidade de fitoterapia e de outros medicamentos.

Apesar da SOP ser causa da irregularidade menstrual em 85% das jovens, é um distúrbio que pode se manifestar de diversas formas. Além disso, a SOP está associada com o maior risco para o desenvolvimento de outras doenças como câncer de endométrio (tumor localizado na parede interna do útero), ataque cardíaco e diabetes.

Apesar de ser comum, a Síndrome dos Ovários Policísticos manifesta-se de diferentes formas nas mulheres e por esse motivo seu tratamento deve ser individualizado. Em casos de suspeita de SOP, procure o seu médico.

Cuide-se, mulher dos ovários!

Beijos e até mais!

aline

Saúde

Menstruação saudável, você tem?

29 de June de 2018

Oi, meninas,

Hoje falaremos sobre menstruação saudável! Confesso que nunca conheci uma mulher que curte estar menstruada, mas sabe aquela frase “ruim com ela, pior sem ela”? É exatamente assim. Por mais que tenhamos que passar pelas insuportáveis cólicas, inchaços, irritabilidades e desconfortos, é sempre bom conferir se você está passando por um ciclo saudável, pois isso fala muito sobre seu organismo.

Todas nós sabemos, desde a época da escola, que o período menstrual resulta de uma ação complexa de diversas glândulas, como hipotálamo, hipófise, ovários (além do útero). Quando a menstruação acontece, esses óvulos não fecundados são eliminados, recomeçando, assim, um processo para produzir novos, numa seguinte tentativa de fecundação.

Características do sangue menstrual:
Normalmente, nos primeiros dias de cada ciclo, o sangue pode ser mais marrom, como uma borra de café. Nos últimos dias, principalmente, a coloração tende a ser, ainda mais, escura, um tom puxado para o vinho. Entretanto, na metade do período, costuma ser vermelho vivo e, se o seu fluxo for mais intenso, podem aparecer coágulos.

Mulheres com fluxo menos intenso, ou que costumam usar anticoncepcional, por sua vez, têm a menstruação com uma cor mais amarronzada, o que é normal, também! Se você usa coletor menstrual, seu sangue não deve ter nenhum tipo de odor, pois será coletado de dentro de você e não estrará em contato com a flora normal, portanto, se você sentir odores neste caso, deve entrar em contato com o seu médico, pois pode haver bactérias no canal vaginal!

Duração e quantidade:
O ciclo menstrual de uma mulher adulta, em média, dura 28 dias, variando entre 24 e 28 dias, enquanto o sangramento dura, aproximadamente, entre 4 e 6 dias. A perda de sangue costuma ser de, mais ou menos, 30ml. De acordo com alguns especialistas, o limite máximo de perda considerado normal é de 80ml, portanto, caso você ache que está perdendo sangue em demasia, também deve entrar em contato com seu ginecologista.

Parei de menstruar, e agora?
Essa condição é chamada de amenorreia e existem dois tipos: primária e secundária. A primeira acontece quando a mulher nunca menstruou (sim, isso pode acontecer). Entre as causas mais comuns, estão anormalidades nos órgãos reprodutivos, que só serão percebidas na puberdade. A secundária, por sua vez, acontece quando a mulher menstruava e parava por mais de 3 meses espontaneamente. Um dos casos mais comuns da amenorreia secundária são gravidez, síndrome do ovário policístico e insuficiência ovariana.

Alterações são normais?
Como citado anteriormente, o uso de anticoncepcionais podem alterar um pouco as características comuns da menstruação, como coloração, quantidade e dias do fluxo, sem que isso seja algo com que se preocupar. Mas é sempre bom lembrar que nem todo método anticoncepcional é para qualquer organismo, portanto, antes de começar a toma-lo, converse com seu médico, ele saberá o melhor para você!

Blog - Bruna

Saúde

Pílula do dia seguinte, você já precisou usar?

28 de May de 2018

Com certeza você já ouviu falar da pílula do dia seguinte, tem alguma amiga que já tomou ou, quem sabe, já precisou usá-la. É um contraceptivo de emergência, que pode evitar uma gravidez indesejada. Porém, seu uso pode causar alguns efeitos colaterais, pois a quantidade de hormônios presentes nesse método contraceptivo é alta, então o uso desse medicamento pode gerar alguns riscos à saúde. Sendo assim, o melhor é proteger-se para não precisar usá-la, não é mesmo?
Alguns dos sintomas da pílula do dia seguinte são:
• Náuseas;
• Vômitos;
• Cansaço e dores de cabeça;
• Dores abdominais;
• Diarreias;
• Aumento da sensibilidade dos seios;
• Alterações na pele e cabelos;
• Variações de humor;
• Pequeno sangramento;
• Ganho de peso;
• Alteração do ciclo menstrual.
Esses sintomas não costumam durar muitos dias. Caso eles se mostrem persistentes, um médico deve ser consultado. O período menstrual pode permanecer alterado por, até, três meses e vale ressaltar que os sintomas da pílula do dia seguinte diferem de uma mulher para outra.

Amiga, se você realizou uma relação sexual sem as devidas precauções e tem medo de engravidar, você pode tomá-la. A pílula reduz drasticamente as possibilidades de ocorrer a fecundação e, consequentemente, uma provável gravidez. Para que funcione, a pílula do dia seguinte deve ser tomada o quanto antes, viu?! Inclusive ela deve ser ingerida em, no máximo, 72 horas após a relação sexual, arriscando não funcionar corretamente após esse período.

É importante frisar que a eficácia deste medicamento vai diminuindo com o passar das horas. Caso faça o uso, tente realizá-lo nas primeiras 24 horas, pois caso contrário, você pode acabar engravidando e ficando ainda com os indesejáveis sintomas da pílula do dia seguinte, que são vários.

Você sabia que, desde 2012, é possível conseguir o contraceptivo de emergência em qualquer unidade básica de saúde, sem que seja necessário passar por uma consulta ou ter receita médica? Pouca gente sabe disso.

Além disso, a pílula do dia seguinte pode ser comprada sem prescrição médica nas farmácias. O preço médio é de R$ 10,00 a R$ 25,00. Você pode optar pelos genéricos, pois todas as pílulas têm a mesma ação e, portanto, a escolha pode ser feita com base no seu orçamento ou em alguma sensibilidade que você tenha a um ingrediente ativo. Existem as pílulas de dose única e a de dose dupla, que são tomadas em um intervalo de 12 horas entre elas.

É importante alertar mulheres e adolescentes sobre a importância de usar essa pílula como último recurso e nunca deve substituir métodos contraceptivos tradicionais, como a camisinha, pois além de evitar a gravidez, protege contra doenças sexualmente transmissíveis (DST’s).

Previna-se, proteja-se sempre! Existem muitos métodos contraceptivos disponíveis no mercado. =)

Carol2

Saúde

Dicas quentinhas para deixar seus pés saudáveis no inverno

14 de May de 2018

Oi, meninas,

O inverno se aproxima e, com sua chegada, quem mora em lugares com temperaturas mais baixas precisa dar um “até breve” para seus chinelos, rasteirinhas e sandálias. Entretanto, não é porque seus pés estarão cobertos pelos próximos meses que deixaremos os cuidados de lado, né?

Sempre é importante lembrar que, por mais fabulosa que seja sua bota nova, você pode acabar sofrendo com micoses, unhas encravadas e frieiras se não for cuidadosa. Nesta matéria, daremos 10 dicas de como arrasar na estação mais fria do ano, mas sem deixar a saúde dos seus pés em segundo plano:

1 – Pense na qualidade! Analise melhor as meias que você usa, pois é muito importante que seus pés “respirem” quando estiverem completamente cobertos por elas;

2 – Antes de comprar um sapato, ande um pouco com ele pela loja para saber se seus dedos se adaptam à sua nova aquisição. Por mais fantástico que seja o calçado, seus dedos devem estar livres dentro dele e seu calcanhar bem ajustado;

3 – Opte por calçados forrados, pois se sentirá mais confortável, principalmente quando precisar passar horas usando-o;

4 – Não se esqueça de hidratar seus pés com cremes específicos para a região;

5 – Dê atenção para a sola do calçado! Se forem macias e absorventes, te farão sentir mais cômoda e seus pés agradecerão no final do dia;

6 – Se você é apta ao salto alto, pense em aderir alguns pares com plataformas ou bicos mais largos, para não machucar tanto seus pés com o uso recorrente;

7 – Após o uso, deixe seus sapatos por, pelo menos, duas horas em local ventilado e aberto. Não o coloque para secar em lugares quentes, como atrás de fornos e geladeiras, pois isso, apenas, reduzirá o tempo de uso do seu produto;

8 – Por mais que você tenha se apaixonado pelo calçado, não o compre se o tamanho for maior ou menor que o seu. Além de desconfortável em longo prazo, não é saudável para seu corpo;

9 – Caso sinta dores, inchaços ou alguma alteração fora do normal, procure um médico imediatamente;

10 – Pessoas com lesões neuropáticas, como hanseníase e diabetes, não devem ter o hábito de andar descalças, principalmente no inverno.

São dicas simples, porém se levadas a sério, seus pés agradecerão muito durante o inverno e estarão, ainda mais, bonitos e saudáveis para o verão, quando ficarão à mostra novamente!

Xoxo,

Blog - Bruna

Saúde

Mitos e verdades sobre a detestável cólica menstrual

3 de May de 2018

Sabe aquelas fisgadas doloridas que antecedem os dias da menstruação? Sabe, né? Por mais que você não costume sofrer muito com as cólicas menstruais, certamente, em algum momento da vida, já pensou que fosse morrer por causa delas (sem drama, claro).

Temida e dolorida, a cólica acompanha as mulheres desde sempre e, por isso, muitas histórias sobre como evitá-las ou dicas para combatê-las são contadas de mães para filhas. Por tal motivo, hoje listamos 3 mitos e 3 verdades sobre a cólica menstrual que vão ter ajudar nesse período complicado. 😉

PS: Vale sempre lembrar que cada organismo tem suas particularidades, então pode ser que algo que não aconteça com sua amiga, pode acontecer com você. Portanto se mantenha sempre em dia com seu ginecologista, ok?

1 – Usar o coletor dá cólicas!
Essa é uma questão muito pertinente, meninas, pois algumas relatam que sentem cólicas quando usam o coletor. A cólica é causada pelo esforço do seu útero em liberar o endométrio (a “capinha” que reveste a parede uterina e é expelida durante a menstruação). Portanto, se no momento em que você colocar ele, inserir muito, ele chegará próximo ao seu útero e o vácuo te causará o desconforto. Aconselhamos sempre que não o coloque tão fundo, assim não te causará incômodos e você se sentirá livre!

2 – Bolsa de água quente ajuda a combater a dor
A água quente ajuda, sim, a aliviar a cólica menstrual, pois colabora na diminuição da contração do útero, que é quem está te causando toda essa dor. Coloque uma bolsa de água quente na região por um tempinho e se sentirá bem melhor.

3 – Não pode lavar a cabeça para não piorar a cólica!
Leeeeenda! Pode, sim, lavar a cabeça (porque nada melhor que se sentir limpinha e fresquinha naquelas dias doloridos, não acha? Além disso, andar descalça, beber coisas geladas ou dormir com o cabelo molhado podem, sim, te deixar doente, mas não tem nada a ver com a cólica, ok?

4 – É possível desmaiar por causa da cólica
Infelizmente é verdade! Em casos mais graves, seu sistema nervoso pode “desligar” seu corpo por um momento por causa do excesso de dor. Porém, como é algo mais sério e, talvez, tenha algum problema no útero, é MUITO importante você procurar um médico urgentemente se isso acontecer.

5 – Fazer atividades físicas menstruada dá cólica!
Esquece isso! Menstruação não é desculpa para matar aquele treino de pernas monstro, beleza? Muito pelo contrário, a prática de exercícios libera endorfina, hormônio responsável pela sensação de bem-estar, consequentemente, ajuda a amenizar sua cólica. Coloque seu coletor e corre para a academia!

6 – A intensidade da dor tem a ver com o fluxo
A dor da cólica que você sente pode, sim, ter a ver com seu fluxo menstrual e, se for mais intenso, pode sentir mais dor. Os incômodos costumam ser mais intensos nos três primeiros dias do ciclo e, infelizmente, podem vir acompanhados de outros sintomas, como dor de cabeça, dor nos seios, dores nas costas. Tudo dependerá do seu organismo.

Sabemos que ser mulher não é nada fácil e que nossa rotina não pode mudar por causa das cólicas, porém esperamos que, com as dicas, você saiba o que pode te ajudar durante o ciclo e o que, na verdade, não passa de lenda.

Xoxo, girls!

Blog - Bruna

Saúde

Dor no sexo: é normal?

20 de April de 2018

Sexo deve ser sinônimo de prazer, não é mesmo? Porém, algumas pessoas sentem dor na hora de transar. Saiba que a dor durante o sexo pode ter muitas causas. Elas podem ser fisiológicas e até psicológicas. Essa dor e desconforto também é chamada de dispareunia e pode acontecer com homens e mulheres, porém é mais comum nas mulheres.

A dor na relação sexual pode ocorrer na vagina, na uretra, na bexiga ou na pelve. Além disso, pode ser antes, durante ou depois do sexo. Esse desconforto pode acontecer quando houver uma penetração mais profunda e pode vir acompanhado de uma coceira ou sensação de queimação na região íntima.

As causas físicas mais comuns para a dor no sexo são:
• Pouca lubrificação, que pode estar ligada à menopausa, parto, amamentação, etc.
• Doenças de pele que podem causar lesões na genitália;
• Infecções urinárias;
• Cirurgia pélvica, lesões causadas por parto ou acidente;
• Inflamação da vagina (vaginite);
• Contração espontânea dos músculos da parede vaginal (vaginismo);
• Endometriose;
• Candidíase.

Além disso, existem fatores psicológicos que podem diminuir o desejo sexual e a excitação causando, consequentemente, a dor na hora de transar. Esses fatores podem ser: estresse; medo ou culpa; problemas de autoimagem; medicamentos; problemas de relacionamento; entre outros.

O sexo deve ser algo consentido e prazeroso para ambas as partes, sempre. Por isso, se essa dorzinha incômoda persistir, atrapalhando o seu desempenho sexual, você deve procurar o seu médico.

Beijos e até mais!

aline

Saúde

Infecção urinária pós-sexo?

9 de April de 2018

Se você também sofre desse mal, então pega essas informações/dicas que eu levo pra vida!

A infecção urinária é muito comum nas mulheres, principalmente para aquelas que têm vida sexual ativa. Mas, nem sempre é causada só por causa do sexo, algumas causas da infecção pode ser por baixa imunidade, gravidez (é muito comum, também), pessoas com diabetes… Enfim, a mais comum mesmo é a questão do pós-sexo. Então, senta que vêm as dicas:

– Suco de Cranberry: além de ser delicioso e refrescante, a fruta impede a proliferação de bactérias presentes na região íntima. Tem vitaminas e minerais e ajuda a reduzir o colesterol ruim. Há, também, cápsulas, mas sempre é bom consultar um médico que te recomende;

– Fazer xixi depois de transar: parece bobo, mas é muito real! O xixi ajuda a eliminar as bactérias do trato urinário, ajudando a não ter infecção urinária no outro dia;

– Banho: sim, algo óbvio, mas que muitas vezes a preguiça bate depois de uma transa boa e só coloca a calcinha e dorme… Mas é MUITO importante se lavar depois de transar, ainda mais nós mulheres que ficamos úmidas, melhor lugarzinho para aquelas bactérias chegarem;

– Não segurar o xixi: no outro dia, não fique segurando a vontade de urinar, isso prejudica o canal da uretra, pois permite que as bactérias se multipliquem dentro do trato urinário;

– Á G U A: beba muita água sempre, além de prevenir a infecção, tomar líquidos faz muito bem pra saúde;

– Use camisinha: né????????????????

Então, já sabe que vai ter aquele encontrinho com o/a crush, tome umas doses de suco de cranberry pra prevenir, vá em algum lugar que você possa se lavar depois e, lembre-se, beba muita água. <3

Beijos de luz!

Marti

Saúde

Ops, escapou! Mas afinal, o que significam os escapes?

6 de April de 2018

Em algum momento da vida você já teve ou terá um escape. Não sabe o que é? Pois bem, escapes são pequenos sangramentos irregulares, que ocorrem fora do seu ciclo normal de menstruação. Apesar de assustarem bastante, eles não costumam ser motivos para grandes preocupações (mas claro, sempre procure seu médico quando perceber que algo em seu corpo não está normal!).

Diferentemente da menstruação comum, o sangue de escape não costuma ter uma coloração muito forte e nem ser muito intenso, mas por que eles acontecem? Listamos, abaixo, algumas das principais causas dessas visitinhas indesejáveis:

– Pílula do dia seguinte:
Em momento algum indicamos que vocês tenham relações sexuais sem proteção, ok? Bom, como a função da pílula é, justamente, evitar uma gravidez indesejada, após uma relação sem proteção, nesses casos o escape é normal, por um ou dois dias. Sangramento de cor marrom ou avermelhado significa que o uso do método, de fato, funcionou.

– Anticoncepcional:
Não é novidade para ninguém que cada mulher tem um organismo diferente e que o método que sua amiga usa, talvez, não seja o mais indicado para você. Os hormônios presentes no anticoncepcional têm como principal objetivo regular a menstruação, portanto, caso a pílula que você está tomando tenha menos hormônios que o necessário para isso acontecer, você terá escapes. Neste caso é indicado conversar com seu médico para que ele indique o melhor para o seu corpo.

– Troca de anticoncepcional:
Quando ocorrer a troca de anticoncepcional também poderá acontecer alguns escapes, pequenos, em tons de borra de café, até seu corpo se adaptar ao novo método.

– Esquecer-se da pílula:
Vamos combinar que todo mundo aqui já deu aquela esquecidinha de tomar a pílula anticoncepcional alguma vez na vida, né? Mas não pode! Coloca o alarme pra tocar, coloca bilhetinho na mesa, no computador, enfim, não pode esquecer, senão o escape vem, gurias (ou o bebê)!

– Lesões durante as relações sexuais:
Caso, durante o ato sexual, tenha ocorrido algum atrito mais intenso (costuma acontecer mais em meninas grávidas), pode ocorrer algum sangramento na vagina ou entrada do útero, sim.

– Nidação:
Geralmente esse filetinho de sangue é um bom sinal para quem está tentando engravidar. A nidação é um sangramento que pode ocorrer quando o óvulo fecundado se prende à parede do útero, beeem no início da gestação. Como os demais escapes, costuma cessar em 1 ou 2 dias.

– Pólipos e miomas:
Nestes casos o sangramento pode ser mais intenso e vir acompanhado das terríveis cólicas. Além disso, longos períodos sem menstruar, seguidos de vários dias menstruando também podem acontecer, mesmo tomando a pílula anticoncepcional certinho.

– Endometriose:
Isso ocorre quando o endométrio cresce em outras regiões que não seja a parede do útero. Entre os sintomas mais comuns, estão cólicas muito fortes, fluxos menstruais bem intensos e, é claro, os escapes.

– Câncer de endométrio ou colo do útero:
Se você já passou a mais de um ano da menopausa e teve um sangramento, mesmo que pequeno, procure seu médico, pois pode ser algo mais grave, como câncer.

– Infecções/inflamações:
Nesses casos o escape indica que tem algo bem errado. Geralmente costumam vir acompanhados de odores desagradáveis e febre. Não vacila e vá ao gineco!

– Estresses:
O estresse pode causar muitas mudanças hormonais em nosso corpo, isso implica, muitas vezes, em menstruações irregulares e sangramentos fora de hora. Relaxe, seu corpo está pedindo um pouco de paz.

Na maioria das vezes os escapes não trazem ou significam consequências graves para você, mas como falamos diversas vezes, sempre que perceber que algo está fora de ordem em seu corpo, procure seu ginecologista, beleza?

Xoxo,

Blog - Bruna

Saúde

Sabonete íntimo: devo usar todo dia?

4 de April de 2018

Sensação de ppk limpa, cheirosa, depilada, uma das melhores, né?!

Então, particularmente, gosto de usar sabonete íntimo na hora de lavar a querida, porém saibam que apenas água corrente já é suficiente para deixá-la limpa, porque mais importante que usar produtos específicos é higienizar corretamente a vulva, diferente da vagina (a primeira parte é a externa, e a segunda, a interna).

A limpeza diária deve ser feita com água corrente e sabonete comum/neutro, passando os dedos entre os pequenos e grandes lábios para tirar aquela gordurinha branca, produzida naturalmente. NÃO usar ducha para lavar internamente, pois desequilibra o pH e potencializa infecções.
Os ginecologistas indicam que se usado diariamente o sabonete íntimo, lave apenas a parte externa da vagina com ele, evite passá-lo internamente. Assim você mantém ela limpinha e cheirosa, sem desequilibrar pH e a flora natural.

Dica boa hein, gatas?!

Bjo e upa!

Angela

Saúde

Mantenha a postura, literalmente

2 de March de 2018

Este ano eu completo 30 anos, com o rostinho de 20, mas a coluna de 80, hahaha. Sim, tenho uma leve “corcundinha” por manter uma postura errada. Por esse motivo, comecei a sentir dores musculares e tensão na região dos ombros.

Para aliviar as dores, comecei a fazer quiropraxia e o quiropraxista me explicou quepilates os exercícios para fortalecer a região das costas são fundamentais, pois são esses músculos que garantem a sustentação da nossa coluna. Os exercícios mais indicados são natação e pilates. Além disso, ele me ensinou a fazer um pequeno exercício, que pode ser feito 3 vezes ao dia, para melhorar a postura e também me mostrou a forma correta de levantar da cama (deitar de lado e levantar de lado mesmo para não forçar a coluna). Isso mesmo, coisinhas banais do nosso dia-a-dia podem influenciar, e muito, na saúde da nossa coluna. Além dessas dicas, ele me indicou um gel milagroso-mega-power de arnica, para usar no local da dor, pois ele estimula a circulação sanguínea.

Uma boa postura influencia também em vários outros fatores, como por exemplo: sinal de confiança e boa aparência. Também melhora a nossa respiração. Reduz o estresse e aumenta a produtividade, entre outros.

Por isso, é muito importante tentar manter a coluna retinha, principalmente se usamos o computador durante várias horas por dia. É um grande investimento a longo prazo e a coluna te agradecerá muito no futuro!

Besitos!

aline